sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

ZEZINHO ALBUQUERQUE CONTINUA COMO PRESIDENTE DA AL/CE POR MAIS DOIS ANOS

Governo vence, mas oposição se fortalece. (Evilázio Bezerra)
Parte da base foi perdida no processo que levou à reeleição de Zezinho como presidente da AL-CE. Será seu 3º mandato no comando da Casa

A disputa entre Zezinho Albuquerque e Sérgio Aguiar poderá ter consequências tanto para a estabilidade do governo Camilo na Assembleia como para o processo de sucessão em 2018

A chapa do candidato de Camilo Santana (PT) e dos irmãos Ferreira Gomes, Zezinho Albuquerque (PDT), venceu a eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. O placar terminou com 27 a 18 para Zezinho e uma abstenção na primeira votação disputada depois de 31 anos. Todos os outros anos tiveram chapa única.

Contudo, os caminhos que levaram à vitória trouxeram também prejuízos para o Governo. A oposição que, até ontem, representava 1/4 do parlamento, cresceu e se fortaleceu com o racha da base.


No processo de negociação de votos para seus respectivos candidatos, o grupo Ferreira Gomes rompeu com a ala do ex-vice-governador Domingos Filho, que apoiava Sérgio Aguiar para presidência da Casa. “Saímos com um grupo fortalecido, mesmo derrotado. Sei que nos próximos dois anos a AL viverá um novo momento”, disse o articulador do bloco PSD-PMB, o deputado federal Domingos Neto. Ele condenou a postura do governador Camilo no processo de eleição da AL.


Domingos Neto confirmou a saída definitiva de seu grupo da base do Governo. Na teoria, a medida significaria pelo menos sete deputados a menos para a base. Se seguida à risca, a debandada amplia o número de oposicionistas de 15 para 21. No entanto, interesses individuais de cada deputado e a capacidade de articulação governista, com troca de cargos e apoio, ainda pode mudar o quadro.


A própria oposição também sofreu decepções. Um dos representantes mais ativos do PMDB, Audic Mota, entrou na chapa governista de Zezinho. A decisão foi motivo de desconforto entre os colegas de partido. Segundo Audic, a disputa local em Tauá pesou para ele. Domingos Filho e Audic são rivais políticos no município.

O deputado Osmar Baquit (PSD) também trocou de lado de última hora. Ele era líder do bloco PSD-PMB e fez diversas declarações a favor de Sérgio, que sofreu derrota maior do que previa.

“Sem racha”

Após ser declarado vitorioso, Zezinho Albuquerque negou que houvesse qualquer ruptura na base ou ressentimento com os membros que ficaram contra ele na votação. Ele argumentou que o fim da disputa deverá trazer de volta a harmonia de antes da disputa.

“Esse racha da base é normal. Todos são amigos (...) Eu sei que com essa disputa alguém sai doído. Mas nós vamos estender a mão a todos. A base do governo não está dissolvida”, declarou. Ele chegou a referir-se a Sérgio como companheiro com interesses em comum.

Ele pediu unidade no parlamento. O deputado, um dos mais próximos de Cid e Ciro Gomes, disse estar emocionado por ser o primeiro a ocupar a o cargo de presidente por seis anos seguidos. (colaborou Daniel Duarte)

Nova Mesa

Integrantes

Presidente: Zezinho Albuquerque (PDT)

1º vice-presidente: Tin Gomes (PHS)

2º vice-presidente: Manoel Duca (PDT),

1º secretário: Audic Mota (PMDB) 
2º secretário: João Jaime (DEM)
3º secretário: Júlio César (PDT)
4ª secretária: Augusta Brito (PCdoB)

1º vogal: Robério Monteiro (PDT)
2º vogal: Ferreira Aragão (PDT)

3º vogal: Bruno Pedrosa (PP)

A Mesa Diretora foi eleita para o biênio 2017-2018.

FEBRE AFTOSA: 20 CRIADORES NÃO VACINARAM REBANHO EM ALCÂNTARAS

Animais nas margens do Açude Pinga. Foto: Arquivo VN (Edilson Angelo)
Relatório aponta 20% animais não vacinados na segunda etapa.

Finalizado a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa no Ceará quase 250 bovinos não foram vacinados em Alcântaras durante o mês de novembro. Os dados são da Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (ADAGRI) e fazem parte do último relatório que lista 20 criadores como inadimplentes no município serrano.

Ainda de acordo com o documento gerado no último dia 30 de novembro, um total de 979 animais tiveram dose de aplicação declarada e 243 criadores realizaram a vacinação dentro do prazo. No município ao todo consta na base da agência 263 criadores que juntos concentram 1227 cabeças de gado em todo o território municipal.

As propriedade onde alguns criadores não haveriam vacinado o rebanho são Bom Jesus, Jardim, Alegre, Carmolândia, Desterro, Doutor, Livramento, Quandú, Santa Bárbara, Sitio Santana, Sitio Livramento, São Bento, São Jerônimo, São João da Baixa, Venturinha e Ventura. No Ceará a multa para quem não declarou vacinação durante a campanha custa R$ 20 por cabeça não imunizada.

Post. Francisco Freire (Portal Jovem)

DIVULGADO RESULTADO DA 1ª FASE DO CONCURSO PM-CE 2016

Divulgada nesta última quinta-feira (1°) no Diário Oficial do Estado (DOE) o resultado preliminar da 1° etapa do concurso público da Polícia Militar do Estado do Ceará (PM-CE) para 4.200 vagas – 3.990 para homens e 210 para mulheres. A lista com os aprovados na 1ª fase está publicada no Diário Oficial do Estado (AQUI).

De acordo com o Governo do Estado e o edital da seleção (AQUI), a expectativa é que 1.400 pessoas sejam convocadas até o final de 2016, com previsão de igual chamada em 2017 e 2018. A remuneração inicial para o posto de policial militar é de R$ 3.134,58. 

Via Sobral em Revista

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

DISPUTA ACIRRADA MARCA A ELEIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO CEARÁ

Sérgio Aguiar sobe o tom contra Zezinho na AL-CE às vésperas da eleição . 
Em disputa marcada para amanhã e que deve ser decidida voto a voto, o candidato criticou condução do presidente da Casa do processo sucessório e cobrou "presença e protagonismo" na Casa. Zezinho rebateu críticas

Às vésperas da eleição que definirá próxima Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, o candidato Sérgio Aguiar (PDT) subiu o tom ontem contra seu adversário na disputa, o atual presidente Zezinho Albuquerque (PDT). Em disputa marcada para amanhã e que deve ser decidida voto a voto, Aguiar criticou condução de Zezinho do processo sucessório e cobrou “protagonismo” da Casa.

“O presidente Albuquerque conduziu errado o processo sucessório. Todo esse problema está se dando pela inabilidade dele. Se ele tivesse sido mais presente na Casa, tivesse discutido mais, feito um diálogo mais franco com deputados, inclusive comigo, não teríamos chegado a isso”, diz Sérgio Aguiar, que descarta retirar candidatura em acordo.

Atualmente, tanto ele quanto Zezinho contam com cerca de 20 votos. Sérgio concorre com adesão de bloco do PSD/PMB e da oposição. Com apoio do governador Camilo Santana (PT) e dos ex-governadores Cid e Ciro Gomes (PDT), o atual presidente da Assembleia tenta manter imagem de “candidato do governo”. Apesar disso, ambos são aliados do governador.

Sem críticas programáticas à gestão de Zezinho, Sérgio Aguiar diz que sua maior motivação é que, caso reeleito, o atual presidente iria para o 3º mandato. “Isso seria inédito, a Casa pede oxigenação. Até porque o presidente tem sido ausente, nós temos visto até sessões caindo por falta de quórum. Quero ser eleito para voltar o protagonismo, estar presente em todas as sessões”.

Em entrevista ao O POVO, Zezinho Albuquerque rebate: “Muito pelo contrário, a Assembleia está ativa demais. Nunca esteve tão presente, discutimos hoje todos os assuntos e estamos em todos os grandes projetos, basta olhar”.

Ele questiona ainda acusação de que estaria ausente da Casa. “Claro que o presidente se desliga um pouco do dia a dia, até porque ele representa um Poder. Tem uma agenda puxada, externa, que muitas vezes não deixa ele ficar a manhã inteira no plenário”.

Votação acirrada

Na sessão de ontem, o assunto foi pauta de diversos pronunciamentos da oposição na Casa. “Não podemos ter candidatura imposta, com carimbo de cacique”, disse Dra. Silvana (PMDB), em referência a Zezinho. Sérgio Aguiar corroborou, criticando “falta de diálogo” do presidente, que não estava presente na Casa.

Candidatura de Sérgio é “aditivada” sobretudo por bloco liderado pelo deputado federal Domingos Neto (PSD), que possui 11 deputados do PSD e PMB. De olho na possibilidade de impor derrota à Camilo, bloco de oposição do PMDB, PR e PSDB também aderiu a Aguiar. Na última segunda, contudo, Zezinho reuniu 20 deputados, Camilo, Cid e Ciro em ato em sua defesa.

“Não julgo ele sair candidato, todos têm o direito. Agora, acho que não é bom para a base. Ele deveria ter arrumado primeiro a própria casa, falado com os deputados do partido dele”, diz Zezinho, que diz ter apoio de todos os 11 deputados do PDT com exceção de Sérgio.

O adversário, no entanto, contesta: “Existem deputados do PDT que querem votar em mim, mas acabaram tendo que ficar do lado dele por conta da questão ter sido fechada de cima”, disse.

Saiba mais

Alguns fatores externos ainda podem influir na disputa da AL. Entre eles, está a saída de Alexandre Landim da Casa Civil, que abriria vaga no governo do Estado.

Sérgio Aguiar disse ter recebido proposta de ser secretário da área, assim como na Saúde e no Turismo. “Eu agradeço, mas estou preparado é para ser presidente da AL”.

Disputa pelo TCM afeta também o pleito. Atualmente, o pai de Sérgio, Chico Aguiar, preside a Corte. Apesar de ser o mais recente conselheiro do TCM, o ex-deputado Domingos Filho é candidato na Corte.

Por isso, apoio de Chico pode ter sido fundamental na conquista de apoio do PSD/PMB, siglas sob influência de Domingos Filho. Todos negam.

PROJETO QUE CRIA A REGIÃO METROPOLITANA DE SOBRAL COMEÇA A TRAMITAR NA AL/CE

Se aprovado, Alcântaras fará parte das dezoito cidades que formarão a RMS
Com a leitura do expediente na abertura da sessão plenária desta última terça-feira (29/11), começaram a tramitar na Casa um projeto de lei complementar de significativa importância para Sobral e Região. 

O projeto de lei complementar nº 8/2016, do deputado Ivo Gomes (PDT), cria a Região Metropolitana de Sobral, além do Conselho de Desenvolvimento e Integração dessa região.

Pela proposta, seriam incluídos os municípios de Alcântaras, Cariré, Coreaú, Forquilha, Frecheirinha, Graça, Groaíras, Massapê, Meruoca, Moraújo, Mucambo, Pacujá, Pires Ferreira, Reriutaba, Santana do Acaraú, Senador Sá, Sobral e Varjota. O objetivo é integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas das cidades.
Imagem: Sobral, divulgação internet
Com blog Sobral de Prima

terça-feira, 29 de novembro de 2016

SENADO APROVA TEXTO-BASE DA PEC DO TETO DOS GASTOS PÚBLICOS

Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
O plenário do Senado aprovou, em primeiro turno, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, conhecida como PEC do Teto dos Gastos Públicos. A proposta foi aprovada por 61 votos favoráveis e 14 contrários. Os senadores analisam agora emendas que foram apresentadas ao texto.

Brasília - Plenário do Senado durante votação do projeto que recria o Ministério da Cultura e as secretarias especiais dos Direitos da Pessoa com Deficiência e dos Direitos da Pessoa Idosa (Fabio Rodrigues Pozzebo

A PEC impõe um teto máximo para os gastos públicos pelos próximos 20 anos equivalente ao valor gasto no ano anterior, corrigido pela inflação. O texto já foi aprovado na Câmara dos Deputados e deverá passar ainda por votação em segundo turno no Senado.

O cronograma previsto estabelece que os senadores farão nos próximos dias as três sessões de discussão necessárias antes do segundo turno. A última votação está marcada para ocorrer no dia 13 de dezembro e, se a PEC for aprovada sem alterações, ela será promulgada no dia 15 de dezembro. Se forem aprovadas emendas, no entanto, o texto deverá retorna para a Câmara dos Deputados.

Da Agência Brasil

FORTALEZA RECEBE SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DA SECA DE 2010-2016 NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Evento acontecerá no BNB do Passaré, entre 30 de novembro e 2 de dezembro e terá a participação direta dos nove estados do Nordeste, além de Minas Gerais e Espírito Santo, além do Governo Federal e de Instituições Internacionais

O semiárido brasileiro vem atravessando, desde 2010, uma das secas plurianuais mais severas de que se tem notícia. Apesar da secular experiência nacional de políticas públicas para o enfrentamento das secas do Nordeste, os impactos econômicos, sociais e ambientais ainda se fazem sentir fortemente. Além de queda na produção agropecuária e de impactos negativos em outras atividades econômicas, há séria crise no abastecimento de água, com muitos reservatórios já secos ou em situação crítica.

No entanto, há muitas lições a aprender que podem contribuir para o aperfeiçoamento das políticas públicas nos nossos Estados e no Governo Federal, inclusive levando em conta cenários futuros de mudanças climáticas. Dessa forma, será realizado em Fortaleza-CE, entre os dias 30 de novembro, 1º e 2 de dezembro, o Seminário de Avaliação da Seca de 2010-2016 no Semiárido Brasileiro, que tem objetivo de documentar aspectos climáticos, impactos, respostas e lições para subsidiar futuras estratégias de adaptação aos impactos das secas no contexto de mudanças climáticas e crescente pressão antrópica e contribuir para o aperfeiçoamento da Política Nacional sobre Secas.

O Centro Administrativo do Banco do Nordeste, no Bairro Passaré, será o local do Seminário, que é uma realização do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), organização social supervisionada pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e do Governo do Estado do Ceará, através da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O evento tem apoio do Banco Mundial, Banco do Nordeste, Agência Nacional das Águas (ANA), Ministério do Meio Ambiente e Ministério da Integração.

O evento reunirá representantes de várias instituições federais, estaduais e internacionais, com a participação direta dos nove estados do Nordeste, além de Minas Gerais e Espírito Santo. De acordo com Antônio Rocha Magalhães, do CGEE, o Seminário de Avaliação servirá como um registro do mais prolongado período de seca, pois, nos sete anos entre 2010 a 2016, seis foram de estiagem no semiárido nordestino. A exceção foi o ano de 2011. “Isso é um fato histórico e tentaremos evitar o que aconteceu no passado, quando as ações eram somente de reação à seca. Acreditamos que a política de enfrentamento e convivência com a estiagem deve permanecer em anos com boas chuvas também”.

Documentação histórica

Durante a abertura do Seminário, o CGEE lança, em parceria com o Banco Mundial, o livro “Secas no Brasil – Política e Gestão Proativas”, que traz uma documentação de dados, análises e imagens da atual estiagem no semiárido. Também será lançada uma versão em inglês, publicada nos Estados Unidos.

Fará parte da programação do evento uma Exposição de Fotografias sobre a Seca no Nordeste, com imagens feitas pelos fotógrafos Dorte Verner (Banco Mundial), Juliana Lima de Oliveira (Funceme), Leandro Castro (Funceme), Bruno Zaranza (Funceme) e Giullian Nicola Lima dos Reis (Funceme). As fotos são registros de viagens de campo ao Sertão do Ceará nos anos de 2015 e 2016, e de missões recentes do Banco Mundial no semiárido brasileiro.

Serviço:

Seminário de Avaliação da Seca de 2010-2016 no Semiárido Brasileiro
Data: 30 de Novembro, 1º e 2 de dezembro de 2016
Local: Centro Administrativo do Banco do Nordeste (Auditório), Fortaleza-CE - Bairro Passaré
Horários: 9h às 19h30
Fontes: CGEE e Funceme

Da Assessoria de Comunicação (Funceme) via Site do Governo do Ceará

Lei de proteção

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape É terminantemente proibido copiar os artigos deste blog sem colocar as devidas fontes. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do código penal. Conheça a Lei 9610.

Seguidores